Brasil é o segundo mais empreendedor de acordo com pesquisa

17 de janeiro de 2013 - 09:04

Uma pesquisa da União Europeia colocou o Brasil como um dos países com maior tendência para o empreendedorismo.

A pesquisa, divulgada na semana passada, apontou que 63% dos brasileiros preferem trabalhar em um negócio próprio. O índice dos que preferem trabalhar como empregados ficou em 33%. O resultado deixou o Brasil em segundo lugar entre os países pesquisados,

 

A pesquisa, divulgada na semana passada, apontou que 63% dos brasileiros preferem trabalhar em um negócio próprio. O índice dos que preferem trabalhar como empregados ficou em 33%.

 

O resultado deixou o Brasil em segundo lugar entre os países pesquisados, que incluem os 27 membros da União Europeia e mais 13 nações, entre elas, China, EUA, Rússia, Índia e Japão. Em primeiro lugar aparece a Turquia, com 82%.

 

A pesquisa mostrou também que o Brasil fica em primeiro entre os que planejam concretizar o desejo: 30%. Os índices mais baixos foram encontrados na Itália (6%), na União Europeia, e no Japão (9%).

 

Renato Fonseca, gerente de Desenvolvimento e Inovação do Sebrae-SP, afirma que o Brasil passou por uma mudança na motivação dos empreendedores, indo da necessidade de sobrevivência para a identificação de uma oportunidade. “O que norteia a abertura de empresa no Brasil hoje é a oportunidade. O empreendedorismo por necessidade é frágil”, afirma Fonseca.

 

Europa

Na Europa, 37% dos entrevistados disseram preferir trabalhar em um negócio próprio. Em 2009, essa era a preferência de 45%. O número dos que disseram preferir ser empregados passou de 49% para 58%.

 

Para o economista Iñigo Urresti, da Direção-Geral de Empresa e Indústria da Comissão Europeia, que realizou a pesquisa, a tendência de queda pode ser observada desde antes do estouro da crise econômica, em 2008.

 

 

 

ENTENDA A NOTÍCIA

 

O Banco do Brasil criou uma nova linha de crédito para micro e pequenos empresários. O financiamento é destinado ao pagamento de impostos de empresas com faturamento de até R$ 3,6 milhões ao ano.

 

Fonte: Jornal O Povo